Do visitors attract or repel vertebrates in an urban park in the Brazilian Atlantic Forest?
Publicações de Turismo

Sobre

 

Nova busca:   Campo:   Tipo:     



Tipo: periódico

Título: Do visitors attract or repel vertebrates in an urban park in the Brazilian Atlantic Forest?

Autor(es): André Scarambone Zaú      Gustavo Pena Freitas      Gabriela Akemi Macedo Oda                                                                             

Periódico: Revista Brasileira de Ecoturismo             Volume: 8           Número: 5           Páginas: 543-555           Ano: 2015

Palavras-chave:
Gestão de Unidade de Conservação      Uso Público      Parque Nacional da Tijuca      Ecoturismo      Efeito de Borda.                                                                 

Resumo: O ecoturismo é uma importante ferramenta para a conservação da biodiversidade em áreas protegidas. No entanto, as altas taxas de visitação e uso público intensivo podem afetar a fauna em áreas protegidas. O objetivo deste estudo foi avaliar o forrageamento de vertebrados em áreas sob diferentes influências antrópicas no Parque Nacional da Tijuca: uma unidade de proteção integral dentro da metrópole do Rio de Janeiro, Brasil. Foram usadas iscas em áreas com e sem infraestrutura para visitantes, em distâncias de 5, 35 e 100 metros das margens da estrada, dentro de cada sítio de estudo. Análises apontaram que em áreas onde a presença humana é menos constante, o consumo de iscas de bananas foi menos intenso. A interferência causada por visitantes do parque sobre a intensidade do consumo de isca é significativa e influenciada por estruturas de visitação como estacionamento, churrasqueiras, mesas de piquenique e playground. Gestores de parques devem considerar tais impactos do turismo, visando minimizar influências negativas sobre a fauna.

Referência em formato ABNT:
ZAÚ, André Scarambone; FREITAS, Gustavo Pena; ODA, Gabriela Akemi Macedo. Do visitors attract or repel vertebrates in an urban park in the Brazilian Atlantic Forest?. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 8, n. 5, p. 543-555, 2015.


Comunicar um erro nesta referência