A representação do objeto museológico em exposição virtual: análise da fotografia histórica no Google Cultural Institute
Publicações de Turismo

Sobre

 

Nova busca:   Campo:   Tipo:     



Tipo: periódico

Título: A representação do objeto museológico em exposição virtual: análise da fotografia histórica no Google Cultural Institute

Autor(es): Lígia Maria Arruda Café,      Renata Cardozo Padilha                                                                                   

Periódico: Revista Iberoamericana de Turismo             Volume: 5           Número: Dossiê 2           Páginas: 120-141           Ano: 2015

Palavras-chave:
Objeto museológico      Fotografia histórica      Organização da Informação      Exposição virtual      Google Cultural Institute.                                                                 

Resumo: Pela ótica da Organização da Informação, reflete-se acerca da representação do objeto museológico presente nas exposições virtuais do Google Cultural Institute. Mais especificamente, opta-se pela fotografia histórica exibida nas exposições virtuais “Nelson Mandela: anos presidenciais (1994-1999)” e “Hood’s Sydney Harbour (1900-1950)”, do projeto Momentos Históricos, disponibilizadas pelo Gooogle Cultural Institute. Nesta linha de pensamento, questiona-se sobre como o objeto museológico é representado no meio virtual? E se sua descrição em exposições virtuais de museus estaria atendendo as necessidades informacionais do pesquisador? Do ponto de vista metodológico, aplica-se na análise dos dados a proposta de metadados para descrição de fotografia histórica de Padilha e Café (2014). O objetivo é discutir sobre quais metadados são importantes para compor a ficha de catalogação do Google Cultural Institute de modo a aprimorar o acesso aos objetos museológicos, neste caso a fotografia histórica, evidenciando a representação voltada para o contexto virtual e de pesquisa. Os resultados mostram principalmente que na representação da fotografia histórica das exposições virtuais analisadas a) adota-se uma quantidade pequena de metadados, oferecendo poucos pontos de acesso ao objeto museológico, b) verifica-se um baixo índice de metadados comuns nas duas exposições, o que pode prejudicar a interoperabilidade entre as Instituições parceiras, bem como o acesso e recuperação, c) explora-se pouco as potencialidades de descrição e relacionamento de dados ofertadas pelo meio digital, deixando de adotar metadados considerados essenciais a descrição de objetos disponibilizados na web. Os resultados nos levam a concluir que para que as exposições virtuais minimizem as perdas de informação, é preciso que as instituições detentoras de acervo se preocupem em organizar sistematicamente o mesmo, observando as especificidades típicas resultantes das transformações sofridas pelo objeto museológico na passagem do meio físico para o digital.

Referência em formato ABNT:
CAFÉ,, Lígia Maria Arruda; PADILHA, Renata Cardozo. A representação do objeto museológico em exposição virtual: análise da fotografia histórica no Google Cultural Institute. Revista Iberoamericana de Turismo, Penedo (AL), v. 5, n. Dossiê 2, p. 120-141, 2015.


Comunicar um erro nesta referência